segunda-feira, 1 de agosto de 2011

depois do sol (não) é frio.

 tem um mundo imenso guardado dentro de cada corpo, protegido pelo escudo formado por cada alma e tratado com o carinho de cada coração cansado de chorar. a gente aprende a se refazer andando por ruas esburacadas,  explorando cada curva, enfrentando cada subida íngreme. a gente aprende, principalmente, a continuar. fica a saudade de seguir de mãos dadas, do abraço morno, do carinho na nuca quando o sono vem se aproximando. mas é isso. que não acabe o sonho, que a vida não esfrie. porque é inegável: tudo o que deixa uma pontinha dentro da gente ainda pode virar futuro. ainda dá pra sentir o carinho passeando pela pele se a gente fecha os olhos e lembra do sorriso de sempre antes de dormir.

3 comentários:

Stella Rodrigues disse...

Aos poucos romanticos que ainda restam. (:

Fernanda disse...

sentiu?

Senti! Profundamente, apaixonadamente! Lindo lindo e lindo seu texto!

absinthe disse...

aaai ai...