quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Adeus, você. Olá, eu.

Aonde estou indo?
pra beira do abismo
topo da montanha
matar-me de frio
se ainda não morri
é porque estás junto
quer dar-me um presente?
saia já daqui
esquentaram-se as coisas
com a tua presença
disso não preciso
quero é me livrar
então vai pra longe
pode abandonar-me
eu quero fingir
que não vou me importar
e se o meu remédio
tornar-se o tempo
e do teu carinho
eu me desprender?
então estarei livre
do que poderias
falar tantas vezes
e a mim repetir
depois destas outras
que tu enganaste
não vou ser mais uma
a perder-me em ti.

(e eu escrevo aqui uma grande mentira, mas que poderia ser uma grande verdade)
(por via das dúvidas.. adeus)
P.S.: Queridões, novamente obrigada por todo o carinho.. mas só posso prometer um post bem pensado/construído pro fim de semana, porque as aulas estão realmente me matando. Espero que tudo corra bem pra vocês (; perdoem-me o sumiço, perdoem-me mesmo. No fim de semana eu visito todo mundo aqui, ok? Beijo grande. Mari.

17 comentários:

Larissa disse...

Mesmo que não sejam verdades, você soube usar as palavras com ardor. E se desejar, espero que um dia, elas se tornem verdade.

Um beijo, Mari.
Adoro ler-te.

- maria elis disse...

queria eu copiar esse poema e mandar pra ele, quem sabe assim colocar um ponto final. mas, confesso que a minha vontade é totalmente o contrário ;~
comolidar?!

beijas mari :*

Alan Félix disse...

com retalhos de nós mesmos, aprendemos o que é amor próprio.

Erica Vittorazzi disse...

Vá para longe, é o que quero também... de mentirinha!!!

Islla Lopes disse...

Eu queria fujir também para SEMPRE, mais algo sempre é mais forte e me faz ficar..
lindo como sempre amiga, ♥

Mariah disse...

ai que poema lindo ;( é verdade, eu queria ser forte e falar 'chega' às vezes, mas nem consigo rs

ticoético disse...

Em pensar que várias outras passam pelo que passas,pelo que a uva-passa,hehehe,não resisti ao trocadilho,mas não posso deixar de notar um fato SÉRIO,você nasceu pra poemas como chico nasceu pra música,enfim,bela.
abraço !
ps:sentia falta daqui (:

Priscila Rôde disse...

"Perca tudo mas não se perca!"

Um beijo Poetisa querida!

Gabriela Castro disse...

Desprender-se é sempre a parte mais difícil!
Aproveito para te convidar para conferir a reforma que fiz no blog. O 'Não solta a minha mão nunca, tá?!' agora é 'Segredos de Travesseiro'. O conteúdo continua o mesmo, mas agora está mais com a minha cara. Espero que vc possa visitar a minha nova casa :)

beijos

Ariane Figueira disse...

É o que mtos de nós fazemos, dizer uma mentira para que se pareça verdade, pensando que doerá menos, mais fácil, mas acho que no fundo nem sabemos com o verdade no final das contas.

evelyn andrade disse...

que bonitinhaaaaaaa minha quianxaaaa, 'as aulas estão me matando' :D heuehue eu ouvi hoje tua aula de matemática, realmente... tu penas, olha... ¬¬ ahuahuheuha
eeei
minha quianxinha tá velhinhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

oxa

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Sobre o texto eu sou suspeito pra falar, mas o final "e eu escrevo aqui uma grande mentira, mas que poderia ser uma grande verdade" me lembrou o grande Mário Quintana em "A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer".

Abraços!

Daiana Costa disse...

Acredito que quando há dúvida, pode ser que existam mesmo duas ou mais perspectivas. A certeza é algo para os fortes de opinião, e isso nem sempre quer dizer boa coisa.

Vital disse...

bom reencontrar teus versos menina.
ainda sou um seu leitor.

Maldito disse...

Mas a mentira,..não é só uma verdade que nao teve a oportunidade de existir?
Inté

ticoético disse...

e por onde andará,Mariana,heeein?!
saudades...
abraço !

Késia Maximiano disse...

Um intenso paradoxo!
Mas é isso aí q é amar... É viver!

Amei aqui!
Beijos