sexta-feira, 2 de outubro de 2009


Talvez tenha sido o brilho da lua em meio a escuridão daquele céu, ou talvez apenas a música ambiente que deixava qualquer um mais calmo. Não sei bem. Só sei que todos os nós que eu havia dado na garganta desapareceram.

Sim, os nós foram desatados e eu soltei o fôlego com tamanha empolgação. Livre, enfim. Se é que eu já sou capaz de dizer-lhe o que é a liberdade. E talvez esta definição seja mesmo complicada.

Porque ainda que eu corra por todos os belos jardins do mundo, ou que eu seja capaz de guardar um raio de sol nesta pequena bolsa, não será o bastante para que eu abra meus braços e diga: "AAAH, LIBERDADE!"

Então você me pergunta: "E o que falta, então?". Bom, antes faltava coragem, e eu também haveria de ter só mais um pouco de força de vontade. Mas agora eu conquistei, enfim conquistei o que tanto esperei.

Sou livre de angústias e do prejudicial rancor, me vi livre de cismas e de medos insignificantes, escolhi ser livre de influências sem que estas sejam muito bem avaliadas.

Sim, me tornei livre.

Finalmente livre.

Livre de ti, óh tortuosa dor!



mariana andrade*

10 comentários:

Márcia Amaral disse...

eu li antes de voces, bjs

dramaqueen disse...

coisa linda, meu deus.

disse...

essa é a melhor liberdade

Lílian disse...

adorei, adoro a liberdade ;)

Larissa disse...

Que essa liberdade seja bem aproveitada :)

:*

Nara Andrade disse...

Olá, Mariana.
As liberdades citadas são as melhores. Acho que alguém só deveria abrir a boca e dizer-se livre, quando estivesse livre de dores e tudo o que a acompanha. Adorei, viu?
Também estas sendo seguida!
Um beijo,
Nara.

Keel Diniz disse...

Liberdadeee...^^

:*

karen Lux disse...

adorei seu blog

Vithória silva disse...

parar de ligar pra o que os outros vão pensar de vc. ser Feliz... liberdadeee...
;* gata doida do becoo

Mariana Andrade. disse...

obrigada pelos comentários, pessoinhas (:

;*