domingo, 30 de outubro de 2011

pra me curar de mim, você.


pra quem se acostumou com o teu abraço, ficar sozinha é pena de morte.


anjo, acho que adoeci. tenho sentido mal-estares contínuos, que duram, geralmente, do meio da madrugada até o início da outra. assim, nessa ordem. tenho tido aquelas crises de nervosismo que tu já sabes como são. o enjôo, a tontura, a dor forte na cabeça, nos ombros, nas pernas, no peito. e a respiração falha também, meu bem, tu já sabes. e sei que tu também te desesperas com todo o choro que, aparentemente, não deveria estar presente. mas sabe, anjo, eu acho que adoeci. a tua falta arde na alma e na pele. enlouquece a mente, pára qualquer gesto, faz mal ao coração. eu, cheia de vazio, transbordo saudade de tudo o que é antigo. tanto o mês de maio como o de abril. e eu te vejo, meu bem, me esperando perto da escada, nas tardes quentes daquela cidade, pra aproveitar o tempo curto. tão pouco pra tudo. e como querer limitá-lo ainda mais? como querer envolvê-lo em tanta dor, se nunca bastou para acolher toda a felicidade que a gente lançava pelos olhos, pelas mãos, pela boca.. mas não me escuta, amor. eu não tenho mais nada pra falar. eu tenho me repetido tanto nas tentativas frustradas de arrancar de ti todo esse medo.. e hoje decidi escrever assim, sem pausas, que é pra ver se tu entendes, que é pra ver se tu enxergas. volta, amor. ou, pelo menos, não nega estar aqui. todas as noites a tua voz me fala, o teu querer me encontra. e um dia desses tu reclamaste por não ter ouvido o que a gente mais espera, dia após dia.. mas não se preocupe à toa. eu te amo. e isso eu repito com gosto, com prazer, com carinho, e com vontade de te fazer sentir do dedo mindinho ao último fio de cabelo. e eu darei meu jeito, amor.. eu vou te lembrar do meu abraço, eu vou te lembrar do que eu quero, do que tu queres, do que nós temos. não me tira do meu lugar, que não vou te tirar do teu. a essa altura eu já me baguncei, e fiz o mesmo contigo. mas a verdade, anjo, é que não importa o que aconteceu. ficou o teu sorriso pra deixar o dia mais claro. e eu realmente não me importo com o resto, só não quero perder isso. eu te amo. eu te quero. e que bom que ainda tenho.

8 comentários:

Ana Andreolli disse...

eu acho que dá pra sentir mesmo, a gente ta se entendendo nos textos. lindo!

Dilly Monnete' disse...

Puxa vida , a saudade causa sintomas tão diferentes nas pessoas ..
Esse post me lembra uma música de Jorge e Mateus :" vamos viver tudo aquilo que ainda não vivemos ; mais uma chance pro amor , pra salvar o que ainda não perdemos "
Enfim , me emocionei bastante !
Abraços <3

Juliana disse...

O amor nos dá forças para continuar, seja qual for o obstáculo. E o segredo para tudo dar certo, é ele mesmo: o Amor!

Beijos.

Cleber Eldridge disse...

Eu tenho me incomodado imensamente com o efeito que as outras pessoas causam em nos ... huuunf!

Priscila Lopes disse...

lindo.

Maggie May disse...

essa história de amor não é fácil...

Daiana Monteiro disse...

você escreve super bem, nossa.
seguindo, 1bj ;*
i-dads.blogspot.com

Daiana Monteiro disse...

você escreve super bem, nossa.
seguindo, 1bj ;*
i-dads.blogspot.com