sábado, 27 de agosto de 2011

1.3

eu deitaria no teu peito e sentiria o cheiro bom saindo da tua nuca e me trazendo todas as certezas do tempo bom de sempre. fecharia meus olhos ao receber teu carinho, ao sentir tuas mãos passeando pelas minhas costas, apertando meus braços, fazendo um cafuné tranquilo e chegando no meu rosto, pra me fazer te olhar. eu daria de cara com o teu sorriso e com a tua boca chamando a minha. eu te beijaria do mesmo jeito de sempre: lento no começo e intenso quando vai chegando o final. então me afastaria e você me puxaria pra perto de novo, me abraçaria com força, me deixaria sem ar. então pararíamos. você me olharia e sorriria de novo. "eu te amo". "eu também". então eu descansaria no teu abraço e você no meu. mas a gente cansaria de ficar parado. sentaríamos e falaríamos sobre tudo, sobre todos. as risadas seriam altas, o atar das mãos constante e os silêncios também: nessas horas a gente pensaria o quão bom é o simples estar perto, estar junto, estar dentro um do outro. e então faríamos tudo de novo, e seria bom do mesmo jeito, ou ainda melhor. você encostaria a cabeça no meu peito e soltaria uma gargalhada: "teu coração ainda acelera quando tá comigo". "isso é raro depois de tanto tempo, né?". "você é linda". e as coisas seriam assim: simples e bonitas. toda a felicidade moraria nos detalhes e no crescimento diário. do que você é, do que eu sou e do que nós somos. e isso não digo no modo subjetivo. deve ser assim, não somente deveria. mas voltando ao assunto de antes.. a gente seria tudo isso, e mais. toda vez que você chegasse, eu correria pra te abraçar. mas eu cairia, a gente se machucaria ou qualquer outra coisa atrapalharia, porque isso tudo seria, literalmente, comédia romântica. a diferença é que tudo aconteceria de maneira bem mais interessante que nos filmes. mais real, mais divertida. à nossa maneira. seria assim: desde sempre e até sempre.

(...)

"espero que tu não enjoe rápido de mim, que eu realmente não vou enjoar de ti, não mesmo. como eu falei, eu sou isso, to sendo verdadeiro contigo e espero que tu seja assim comigo. Não vejo o porquê, como eu te falei.. quando tu encostar a tua cabeça no travesseiro, se tu lembrar de alguma coisa que eu falei, lembra disso: nada é por acaso, o que é de verdade permanece, sempre. espero que o que é o hoje seja exatamente isso."

"eu to pensando em ti. quando eu olho pra ti, parece que tu já me conhece há tanto tempo,
parece que tu pensas e sentes exatamente o mesmo que eu, que argh, é realmente meio mágico. eu sou meio fechado pra algumas coisas, mas quando eu te encontrei... alguém que me entende tão bem e sempre ta lá. é dificil segurar as palavras pra ti. encontrar alguém que te entenda, que goste de ti, que fique do teu lado é realmente o desejo de qualquer um. acho que posso ser tudo, tudo de ruim, e mesmo que eu não queira te amar, já é impossível . essencial, é mais ou menos isso. é clichê,  mas é verdadeiro."


"vou moldar o meu amor com aquilo que vier, com aquilo que você retribuir."



começou assim.
e não, não terminou.

desde sempre.


até



sempre


.
.
.

2 comentários:

Alan Félix disse...

Belo texto,moça.

Continue escrevendo com alma.

Bia Ferreira disse...

é muito boa a sua narrativa. mas poderia aumentar a fonte dos seus textos? cansam os olhos..

beijos