sexta-feira, 20 de novembro de 2009


É vermelho o teu coração,
verde a tua esperança,
azul a tua liberdade,
laranja toda a tua intensidade.
intenso como teus sonhos,
hoje da cor do vinho,
e que o embriaga tanto quanto o mesmo.
ou até mais.
Teu rosa foi queimado
por um par de mãos em punho
e impunes o bastante.
Tua poesia é arco-íris
e a minha indefinida.
Colorido és.
Sempre fostes.

E eu, cinza.
quando quero, é claro.

mariana andrade*

16 comentários:

Erica Ferro disse...

Ainda bem que é só quando quer.
Porque alguns sempre o são, muitas vezes por falta de forças e de saída.
Se bem que isso pode ser contestado.
Dizem que lápis de cor estão por aí, em todo o lugar e ninguém pode dizer que está cinza porque não tem escolha.

Bem, mas é interessante essa mudança de cores e tons. É uma ótima experiência. =)

Um beijo da tua fã, Ericona, haha!

Daniela disse...

As cores influenciam em nosso humor ^^
Então não se prenda muito ao cinza ;s
Beijos!

Marcelo Mayer disse...

somos todos psicodélicos

Juliano disse...

Eu sou cinza quando quero também, mas o problema é que ultimamente eu quero de mais.

Beijooos.!

cata bortman disse...

as cores, os senimentos, se confundem tanto. Quando esta chovendo, tudo cinza, ficamos desanimados, tristes, melancolicos. Quando esta sol, tudo colorido, ficamos felizes, apaixonados, animados.

, dudiinha cazé disse...

puts, que perfeito *-*

Vital disse...

bela poesia aquarelada!

› dani.avila ♥ disse...

aaaah, eu adoro quando voce escreve coisas com cores telepata, *-*
ah sim, a minha inspiração está voltando, tô produzindo coisas melhores, IASUHDUIASH;

beijos, se cuida

Natália Corrêa disse...

Cinza,

até que chove.

Maryama* disse...

Multicolorido é o seu coração*

cássia disse...

eu sou mt cinza,é claro!

Neto disse...

Há quem diga que elas induzem, e até acredito nisso. Mas o que as cores melhor expressam é o sentimento, delineando o abstrato, concretizando-o. Alguém discute que a Liberdade é Azul ou a Igualdade é Branca?
Ah! E o preto? Prefiro recitar Barco Negro, um belo poema que deixo por sua conta encontrar a origem:

"Barco Negro

De manhã, que medo, que me achasses feia!
Acordei, tremendo, deitada n'areia
Mas logo os teus olhos disseram que não,
E o sol penetrou no meu coração.

Vi depois, numa rocha, uma cruz,
E o teu barco negro dançava na luz
Vi teu braço acenando, entre as velas já soltas
Dizem as velhas da praia, que não voltas:

São loucas! São loucas!

Eu sei, meu amor,
Que nem chegaste a partir,
Pois tudo, em meu redor,
Me diz qu'estás sempre comigo.

No vento que lança areia nos vidros;
Na água que canta, no fogo mortiço;
No calor do leito, nos bancos vazios;
Dentro do meu peito, estás sempre comigo."

Beijos Maricota. :**

Verônica disse...

tantas cores, e sentimentos! belo, mt belo!

Beijos s2

disse...

cores! cores! tenho percebido-as muito mais ultimamente.

AE MARIANA MUDOU O LAY!! *-*
ficou lindo :)

Fernanda disse...

amo as cores,mas o verde o azul [daquele cor de céu] e o cinza me encantam...o cinza em todos os tons...

Tatiane Trajano disse...

Eu vejo o arco-íres nas tuas palavras... e é lindo!

=*