segunda-feira, 8 de junho de 2009

Como bola de sabão,

E de um simples sopro ela surge. E com toda a sua beleza, toda a diversidade de cores, ela voa. Domina o horizonte, forma um arco-iris dentro de si. Guarda todas as cores em seu eixo. Gira em torno dele. Cavalga em sua absurda delicadeza. Transparente, mas segura.

Vai se enfraquecendo. O vento a faz sumir, ou some como o vento? Não posso senti-le por mais de um segundo. Às vezes fico com vontade de agarrar uma e não largar mais. Gostaria de absorver sua forma frágil de ser forte.

De uma hora pra outra ela simplesmente some. Não precisa dar explicação. Não há respostas quando as perguntas ainda não foram feitas. Ela não foge, apenas dorme. Adormece em um sono profundo, sem preocupações, sem medo, sem perguntas, sem culpa. Somente acaba.



E como bola de sabão, forte e frágil ao mesmo tempo, eu começo e acabo, às vezes não na ordem certa.

mariana andrade*

2 comentários:

evelyn andrade disse...

nossa, que coisa linda, linda, linda! eu amei esse texto!

Marii~ Andradee disse...

:D brigadin