domingo, 11 de julho de 2010

Refratário.

                                    a lembrança do que era lembrado é vaga.
antes vinha sem escrúpulos.
sem negociar com o perigo de tornar-se claro
ao presente que, agora, é alheio.
alheio.
mas não a mim.
de mim o único desejo que se apossa
é o desejo do todo.
do tudo.
do completo, sem metade.
que se for em pedaços frágeis
acaba por ser levado na correnteza do tempo
na fraqueza.
na franqueza das horas que passam
sem nenhum dó.

mariana andrade*

11 comentários:

Thalita Souza disse...

A lembranças são vagas,,as memórias vazias,,mas os momentos são eternos.

Stella Rodrigues disse...

do completo, sem metade. Amei muito isso

Paula Souzza. disse...

aaah que bonitinho.
obg pela visita :D beijin

disse...

''e se antes um pedaço da maçã, hoje quero a fruta inteira''

lembrei desse fragmento, quando li. :)
hahaha sempre muito profunda, moça.

Priscila Rôde disse...

"É o desejo do todo. do tudo."

Por aqui, é bem assim também.

Um beijo, Mari.

gabriela marques. disse...

"é o desejo do todo.
do tudo.
do completo, sem metade."
Belos versos livres!
Adorei.

Erica Vittorazzi disse...

Que coisa mais linda!!! Perfeito!!!

Parabéns!


Beijos

evelyn andrade disse...

ainda acho que nenhum é muito estranho. e cabe aqui a ambiguidade. beijos.

Renata de Aragão Lopes disse...

"a lembrança
do que era lembrado
é vaga."

AMEI!

Beijo,
Doce de Lira

- maria elis disse...

chega um tempo em que metades/pedaços já não nos satisfazem e que precisamos de tudo inteiro.

beijas mari :*

Erica Ferro disse...

O tempo é implacável com nossas memórias.
É preciso protegê-las com os dentes, agarrando-as com toda a força, pra não deixar que elas sejam levadas pela correnteza do tempo.

A profundidade das tuas palavras é algo que faz te admirar cada vez mais.

Um abraço, poetisa ♥.